Partilha de perspectivas... tanto quanto atualizadas.



quarta-feira, 17 de abril de 2019

Porque não se viu nenhuma TV?


Por ocasião da gala do centenário do jornal ‘Diário do Minho’, no passado dia 15, não vi nem vislumbrei nenhuma câmara de televisão, nem das habituais em atos de tal significado nem as mais pessoais e correntes… como agora se diz, do público fazedor de notícias. E questionei-me: foi esquecimento de quem organizou ou descuido de quem costuma estar presente ao mais pequeno sinal de notícia importante? Tal efeméride não será algo de tão relevante assim nem sequer para os meios de comunicação social da Igreja católica? Terá havido algo que desmereça ser noticiado ou não haverá algo mais neste falhanço, por sinal, transversal a tantos dos meios de comunicação?

Que o facto era considerado importante viu-se pela presença dum número significativo de autarcas dos distritos de Braga e de Viana do Castelo? Que o episódio foi considerado marcante viu-se no elevado número de presenças – ‘convidados’, diga-se – no ato solene e na refeição subsequente. Que não foi um episódio de somenos notou-se pela presença de tantos dos colaboradores (de trabalho e em opinião), onde humildemente me inclui.

Ainda no decorrer da festa/gala dei conta da estranheza aos responsáveis, tanto da arquidiocese como do jornal e ficou-me um amargo de desconsideração para com uma espécie de boicote por parte dos órgãos de comunicação social em massa. Não que se deva achar estranheza nos critérios de notícias em tantas das televisões, pois ali não havia um escândalo nem um acidente e tão pouco um desses filões que agora fazem ganhar leitores/ouvintes/anunciantes, mas tão-somente a comemoração de cem anos de um jornal feito com base na região Norte, no Minho mais precisamente, que procura veicular valores – como foi referido por alguns dos intervenientes – e de inspiração cristã. Será que é esta que se torna nó górdio da compreensão daquilo que não se compreende e, por isso, se contesta, ignorando, silenciando e censurando?

Seja lá qual tenha sido a razão de não ter estado nenhuma televisão a reportar o primeiro centenário do ‘Diário do Minho’, aqui fica a minha honesta, singela e despretensiosa observação, denúncia e quase protesto.

Com um redobrado sentimento de gratidão realço: parabéns, mais uma vez, pelo centenário deste jornal.

 

António Sílvio Couto

Sem comentários:

Publicar um comentário