Partilha de perspectivas... tanto quanto atualizadas.



segunda-feira, 21 de agosto de 2017

Aprender a benzer-se!


Dizia-me um padre já bastante idoso – morreu nonagenário e foi pároco até depois dos oitenta anos numa das paróquias mais extensas da diocese de Setúbal – que se queria saber diante de quem estava, numa assembleia reunida em razão dalgum sacramento ou sacramental, bastava-lhe estar atento à forma como as pessoas se benziam, logo no início… aquilo era o termómetro.

Recorro com alguma subtileza a este critério ‘pastoral’, sobretudo quando estou na presença de pessoas que vem celebrar o batismo e isso me leva a perceber, desde logo, que o melhor a fazer é explicar – com gestos e observações simples – o significado do benzer-se e qual a relação com o batismo.

Disso passarei a deixar por escrito esta breve condução de algo tão básico quanto essencial… Dar-me-ei por satisfeito se mais aqueles aprenderem correta e significativamente a correlação do benzer-se assumido com o batismo comprometido, num verdadeiro ato de fé pessoal e comunitário. 

= Desde logo reparemos no gesto que faz uso do sinal em forma de cruz, enquanto traçado desde a cabeça até aos ombros, passando por sobre o tronco: a cruz – o cruzamento entre o que vem do alto e a condição horizontal, isto é, o mistério da encarnação, Jesus o Verbo encarnado e redentor, e a nossa condição fraterna e em caridade, que nos leva uns aos outros a estarmos em sintonia de vivências. Quantas vezes vemos serem feitas tais garatujas que ficamos sem saber em que é que cada um acredita ou qual o objetivo de tais (quase) simulações! Ao vermos certos jogadores de futebol a fazerem tais gestos fico com a sensação de que algo lhes vai na alma, mas que não se exprime lá muito bem na representação! Por vezes a assunção duma certa fé cristã pode tornar-se boa oportunidade de evangelização, mas devia ser bem feita e com sentido apropriado! 

= Usamos, ao benzer-nos, as mesmas palavras que são proferidas no ato de batizar. Por isso, sempre que dizemos, rezando: ‘em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo’, estamos a ir à fonte batismal, naquilo que isto tem de essencial e refontalizador, tanto da nossa fé quanto da nossa condição de vida cristã. Algumas vezes, quando as crianças já são um tanto capazes de entender, perguntamos-lhes se já sabem comer com os utensílios adequados (faca, garfo, colher, etc.) e quem foi que lhes ensinou a manusear tais instrumentos… ao que respondem, normalmente, que foram os pais… assim, lhes dizemos que estes devem ensiná-los a benzer-se, ao menos, de manhã e à noite… 

Devemos atender que na invocação das Pessoas da Santíssima Trindade não as estamos a enumerar, colocando a vírgula entre a primeira e a segunda, mas a coordenar, isto é, dizemos entre as três pessoas divinas ‘e’, numa conjugação de singularidade entre ‘o Pai e o Filho e o Espírito Santo’, fazendo-o numa atitude de invocação e de evocação, isto é, de invocação sobre nós mesmos das Pessoas trinitárias e de evocação desse momento do batismo em que tais palavras foram proferidas especificamente pela primeira vez sobre cada um de nós. 

= Vejamos os gestos e a sua coordenação com as Pessoas divinas, envolvendo três das grandes componentes (faculdades) da pessoa humana – pensar, querer e amar:

* ‘em nome do Pai’ e tocamos com a mão direita sobre a cabeça – com isso estamos a entregar e a submeter a nossa inteligência a Deus que é Pai: n’Ele, por Ele e com Ele queremos que tudo quanto pensamos – agora, no passado ou no futuro – possa ser de Deus e para Deus. Quantos pensamentos, memórias e desejos podem e devem ser entregues a Deus de cuja paternidade somos e vivemos como filhos…

* ‘e do Filho’ e fazemos descer a mão por sobre o tronco até à altura do umbigo, envolvendo exteriormente todo o aparelho digestivo, com os órgãos que lhe estão adstritos, numa ligação ao sistema volitivo mais alargado e com incidência nalguns dos reguladores do nosso corpo, como fígado, rins… Tal como Jesus, o Filho, fez sempre a vontade do Pai, assim cada um de nós quer fazer a vontade de Deus, hoje.

* ‘e do Espírito Santo’, traçando dum para outro dos ombros o sinal horizontal da cruz, passando por sobre o coração, colocamo-nos na entrega ao Deus de amor, manifestado no e pelo Espírito Santo, para vivermos o amor de Deus… de forma simples e comprometida.  

 

António Sílvio Couto



quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Quando ter opinião cria problemas


Das caraterísticas mais usuais dos nossos dias é a do não ter opinião (clara, assumida e fundamentada) e ainda de não se comprometer com aquilo que se pensa e o que se diz. Para muita gente é mais fácil não ser a favor nem contra, antes pelo contrário… Vemos por aí a pulular uns (pretensos) independentes – alguns dizem deles que são mais dissidentes – para os quais tudo vale, tudo serve, tudo é aproveitável, desde que sejam eles, à partida, os possíveis vencedores…

Ora ter opinião exige que se seja, desde logo, capaz, de estar minimamente informado; de ter tempo e capacidade de reflexão dos prós e dos contras; de partir duma linha de princípios e não de meras conjeturas e suposições; de viver enquadrado neste tempo e não como saudosista do passado ou instável sobre o futuro; de não partir de preconceitos seja contra quem for, mesmo que possa pensar e de agir de forma diferente; de fazer crescer com o possa exprimir na sua opinião e não a atirando sugestões para que outros possam executar… Numa palavra: ter opinião pode criar problemas porque quem o faz se expõe e se revela, podendo criar problemas senão mesmo adversários ou talvez inimigos…  

= Desiluda-se quem pense que o assunto agora aqui trazido seja resultado da obnubilação estival de temas para refletir. Bem pelo contrário: como indicarei infra, esta questão decorre da necessidade em explicitar a orgânica mais subtil do tratamento de várias das vertentes em que tento colocar a perspetiva cristã na abordagem, leitura e interpretação de assuntos onde a fé cristã tem de ser colocada… em compromisso.

Talvez nem todos/as aceitem a forma como vemos e lemos os assuntos trazidos à liça do nosso dia-a-dia. Talvez haja quem nem leia o que é escrito por ver quem assina tais reflexões. Talvez julguem que é quase sempre do mesmo o que se pretende veicular. Talvez possa até parecer que o exercício em escrever como que adquire a função terapêutica de verter em letra o que ocupa a mente… Sim tudo isso e muito mais está subjacente à necessidade que tenho em refletir, por escrito, sobre muitos assuntos da vida e que espero que sejam para a vida…              

= Quem se pronuncia sobre o tema da vida e da família, desde logo, pode incorrer em censura por parte de muitos dos interesses que tais questões colocam. Com efeito, os assuntos de natureza ética/moral andam hoje tão maltratados que será preciso conhecer os autores para acreditar nos conteúdos difundidos. Nem que seja de forma simulada dá a impressão que muitos dos mentores – cognominados de ‘opinion makers’ (fazedores de opinião) – de tais questões são comparáveis a assaltantes que têm a propriedade de legislar sobre os assuntos em que depois podem vir a ser julgados e, com isso, criarem condições para legitimar o seu comportamento e até para atenuar as penas a que podiam e deviam ser condenados…

Repare-se nas tentativas de mudança de terminologia sobre os temas da vida e da família: género em vez de sexo; progenitor substituindo pai e mãe; união de facto (tácita ou declarada) como equiparado a casamento e isto ainda que tentando atingir o âmbito do matrimónio; casal num equívoco com parelha; família como expressão de caraterísticas a gosto…

Quem tiver ideias claras e distintas, segundo os valores do cristianismo, não pode deixar-se ludibriar com tais ‘conceitos’ feitos à custa/medida de interesses de lóbis mais ou menos assumidos, embora muito barulhentos e capazes de fazer passar a ideia de que tudo está diferente, embora continuem a faiscar conflitos entre os beneficiados com tais folclores luzidios quanto baste! Porque são censurados, na maioria da comunicação social, os conflitos entre acasalados do mesmo género/sexo e se difundem com estrondo os que atingem os heterossexuais? Viverão todos num conforto de entendimento ou nada se passa porque não se noticia? 

= Não deixa de ser minimamente preocupante que, por estes dias, se continuem a cunhar clichés – racista, xenófobo, homofóbico, discriminação, etc. – quando alguém pensa de forma diferente do ambiente amoral em que nos vamos entretendo. Não deixa de ser perigoso que uns certos ideológicos tenham cobertura para dizerem o que lhes apetece e sejam marginalizados os que não se deixam guiar pela bitola do amoralmente aceitável. De facto, o sal perdeu o sabor e só serve para estrumar o que resta… de imundície!

 

António Sílvio Couto



segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Campeonato ‘play station’…à portuguesa?


A ver pelos primeiros jogos – incidências, reações, efeitos e projeções – a introdução do dito vídeo-árbitro no campeonato principal de futebol, em Portugal, poderá ser uma espécie de versão de play station com jogos a sério, com resultados a gosto e até com defensores e detratores com razões de queixa sem grande dificuldade.

Se atendermos, desde logo, a quem faz a transmissão televisiva – nem sempre é o mesmo operador – difundida, poderemos colocar o tal juízo dos que controlam diante do écran sob suspeita ou mesmo sujeita a erro…desde que possa prejudicar com quem não simpatizo e talvez beneficiar quem move a minha paixão clubística… 

= Esta vaga dum tal ‘cientismo’, que deseja não errar, poderá tornar-se um obstáculo a que se continue a laborar na certeza das decisões. Mas se são humanos os que ajuízam a partir do que veem na transmissão televisiva, o tal erro de arbitragem está sempre subjacente… mesmo que possa ser atenuado/corrigido segundos depois.

Será ainda de nunca esquecer que os jogadores são pessoas e não bonecos numa figuração articulada com os desejos dos mentores das vitórias tenham o custo que possam apresentar. Como humanos os jogadores não podem se colocados como autómatos duma play station feita em série e a contento dos fabricantes/donos… 

= Uns tantos reclamam a ‘verdade desportiva’ e querem-na como fator de atuação a régua e esquadro feita nos estúdio sem a envolvência do barulho do estádio – trocar estúdio por estádio tornaria o jogo mais certinho, mas sem o rigor da intervenção dos jogadores e até dos cheiros próprios de quem não teme sujar-se em vez do fato de comentador irrepreensível, mas inócuo, incolor e indolor… isso não seria futebol!

Quem assiste ao ‘jogo-falado’ de certos comentadores, que se pronunciam após o resultado já feito, torna muito daquilo que se diz quase vergonhoso senão mesmo imoral… Vimos isso por parte dum desses comentadores, que na hora do jogo estava na conversa à mesa com adeptos seus, mas quem o ouviu – no dia seguinte – a pronunciar-se sobre a tática, as jogadas e mesmo o resultado, dava lições de bom futebolês… dentro do seu assumido clubismo!  

= Para além do fervor/paixão com que tantos adeptos vivem o futebol, há uma grande indústria em volta deste (dito) desporto-rei – porque muito popular, bastante praticado e mesmo discutido – no nosso país. Sem nos darmos na devida conta quem ocupa o poder serve-se do futebol para entreter – há quem diga: manipular – o povo, que, assim distraído vai tolerando que se faça pelo futebol mais do que lhe é acometido. Quantos autarcas se revem do futebol para ganhar votos. Quantos industriais se fazem passar por beneméritos pelo dinheiro que dão ao futebol. Quantas tropelias se inventam para colocar o futebol como bode expiatório social.

Para certas pessoas – tanto homens como mulheres, mais novos e mais velhos, sem classes sociais nem níveis de instrução – o futebol tornou-se uma espécie de religião, desde os princípios até ao comportamento, passando pelos rituais e indumentárias… num colorido vistoso e, nalguns casos, a roçar o bizarro. 

= É digno de estudo o imenso tempo e espaço que o futebol – o resto dos outros desportos são quase mera nota de rodapé – na comunicação social, tanto escrita, como falada, televisionada ou radiofónica e mais recentemente nos espaços cibernéticos… Os lugares de discussão têm horas e locais, intervenientes e assistentes, num grande investimento económico e publicitário que gera, movimenta e catalisa milhões de euros diariamente. Por isso, introduzir com o vídeo-árbitro mais um ingrediente neste circo de feras – muito mais perigosas do que as que foram excluídas da exibição circense – é como que um tema que fará correr rios de tinta, gastar horas de emissão e gerar discussões e dissensões… quase até à exaustão.

Bem razão tinham os responsáveis romanos: demos ao povo e jogos e poderemos governar à vontade. Ontem como hoje pouco mudou, a não ser alguns figurantes!     

 

António Sílvio Couto



quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Litania cívica e social


Daquilo que vamos observando. Por aquilo que temos percebido. Com aquilo que fomos aprendendo... seja de experiência própria, seja por contato com outros/as, surgiu-me uma sugestão de litania (numa linguagem um tanto religiosa, ladainha) das coisas sociais e cívicas... mais ou menos visíveis ou subtis.

Os paralelos não são de exclusão, mas somente são colocados em proximidade, tendo em conta alguma afinidade e conjugação de conceitos.

São apresentados trinta e um invocativos, o que poderá ser uma espécie de um para cada dia do mês... A ordem é, manifestamente, aleatória. 

Dos orgulhosos e presunçosos, livrai-nos,

Dos preguiçosos e falsários, livrai-nos,

Dos mal-intencionados e interesseiros, livrai-nos,

Dos arranjistas e cobradores de favores, livrai-nos,

Dos bem-falantes e muito elogiadores, livrai-nos,

Dos maldizentes dos outros e auto-presumidos, livrai-nos,

Dos pretensos espertos, mas pouco inteligentes, livrai-nos,

Dos muito palavrosos e pouco dados a escutar, livrai-nos,

Dos faciosos, ferrenhos e fanáticos (do partido, do clube, da sua terra, da sua religião), livrai-nos,

Dos que não sabem perder nem reconhecem a vitória alheia, livrai-nos. 

Dos que se consideram imprescindíveis, quando já escusados, defendei-nos,

Dos que falam mais alto que todos, quando não têm razão, defendei-nos,

Dos que não honram a palavra, quando pretendem fazer-se passar por melhores, defendei-nos,

Dos que não reconhecem as qualidades alheias, mas se apropriam das ideias deles, defendei-nos,

Dos que têm mente maliciosa, projetando nos outros a sua ruindade, defendei-nos,

Dos moralistas que atacam, antes que se perceba a sua falsidade, defendei-nos,

Dos vaidosos que se ostentam, mas não honram os seus compromissos, defendei-nos,

Dos estrategas em tentar subverter em seu favor as conclusões dos maus atos, defendei-nos,

Dos incompetentes e corruptos colocados a mandar e com poder, defendei-nos,

Dos imbecis colocados a governar e com autoridade, seja qual for a instância, defendei-nos. 

Com os humildes, sábios e honestos, queremos aprender,

Com os que colocam o servir antes do reinar, desejamos crescer,

Com os que antes de dizer, sabem fazer, queremos conviver,

Com os que reconhecem os seus erros e compreendem os dos outros, pretendemos estar,

Com os que só têm uma palavra e uma cara, queremos saber aprender,

Com os que são leais e que vivem na serenidade, desejamos ser instruídos,

Com os que são sobretudo exigentes consigo e tolerantes com os demais, vamos construir,

Com os que valorizam o ser muito para além do ter, queremos caminhar,

Com os que antes de acusar, sabem perdoar com verdade, desejamos crescer,

Com tantos heróis e santos do passado, queremos estar em comunhão,

Com quem acredita no futuro, pretendemos caminhar...de olhos postos em Deus. 

Desfiada esta litania, deixamos que cada um faça a sua, acrescentando ou suprimindo aspetos que foram apresentados... Deixamos o nosso contributo!

 

António Sílvio Couto


terça-feira, 8 de agosto de 2017

Quando a chuva não vem…


79% do território de Portugal continental estava, em final do mês de julho, em seca severa e extrema, segundo dados do instituto português do mar e da atmosfera. Explicitando: àquela data, 69,6% encontrava-se em seca severa e 9,2% em seca extrema… Relativamente a dados de junho passado notava-se um desagravamento na região interior norte e um agravamento no interior do alentejo.

Atendendo a estes dados, o governo decidiu acionar um plano de prevenção, de monotorização e de acompanhamento dos efeitos da seca. Pelas informações obtidas 16 das 60 albufeiras do continente estão com a sua capacidade a menos de 40%. De entre as medidas a implementar situa-se a hierarquização do uso da água: para consumo humano, para dar de beber aos animais, seguindo-se as regas agrícolas, as lavagens urbanas, fontenários e viaturas… De salientar ainda a contensão no uso da água nalguns concelhos do alentejo e da beira interior com o recurso às restrições ou à distribuição da água através de autotanques…

O inverno foi de pouca chuva e a primavera foi muito quente e com pouca chuva, tendo atingido dois terços do valor médio para esses meses do ano… Desde 1931 que não tínhamos uma primavera tão quente, sobretudo nas regiões norte e centro do continente. 

= Diante destes dados há questões que têm de ser colocadas, mesmo segundo a nossa capacidade cívica e o sentido do bem comum.

* Desde logo é do mais elementar sentido dos outros considerar que ter sol para ir para a praia é considerado ‘bom tempo’, como se a água que há de atenuar a sede seja um recurso inesgotável e se possa negligenciar o seu uso racional e atendendo a todos e não só aos interesses individuais…

* Corremos o perigoso risco de olhar para a tragédia dos fogos (florestais ou outros) como se fossem coisa que atinge os rurais e outros que não têm a sorte de irem de férias… Isso será lá longe e que não me fazem considerar que todos haveremos de sofrer com tais anomalias.

* Que me importa afligir-me com os problemas dos outros, se eu for gozando a minha vidinha, à margem daquilo que me não interessa… Também isto continua a revelar o grau de egoísmo com que nos vamos entretendo. Com efeito, as sirenes dos bombeiros já não nos fazem distrair da consulta, pelos meios de informações digitais, ao longe dos acontecimentos gerais, mas que me passam desapercebidos à minha porta ou até dentro da minha casa…  

= A água sempre foi um fator de desavenças. Vejam-se as guerras pela conquista de espaços onde havia água. Reparemos nos conflitos de vizinhos pela posse de água para o cultivo dos campos. Quantas vezes as civilizações vingaram em espaços com água, normalmente junto de rios ou à beira-mar.

Se há cem anos nos dissessem que a água corria risco de ser doseada ou mesmo de não ser inesgotável, consideraríamos que estavam a tentar enganar-nos, senão mesmo a tentar manipular-nos com dados não-corretos. Mas hoje sabemos e concordamos que a água é um bem precioso e que exige um bom uso e correto aproveitamento, tanto ao nível público (social) como privado (doméstico).  

= Talvez alguém possa considerar o aspeto que vamos referir de seguida como um tanto desprezível, anacrónico ou até demasiado fideísta para ser tido em conta… neste tempo em que achamos que somos uma tal sociedade racional/racionalista. Falamos das súplicas pela chuva, que, em tempos não muito distantes, eram usadas por ocasião dum prolongado tempo de seca.

O missal romano tem uma proposta de missa para ‘pedir a chuva’, inserida na seção ‘diversas circunstâncias da vida social’… Ora, quando tantos se acham capazes de se apropriarem das forças da natureza, o crente católico coloca-se na humildade em reconhecer que até a chuva – dom de bênção divina – está ao serviço dos humanos como algo benéfico concedido por Deus na sua magnanimidade para com todos, incluindo a natureza. Talvez valha a pena recordar o episódio de ter sido lançada a proposta de oração para pedir a chuva. Ao que, quem dirigia a oração, ripostou: vem pedir chuva a Deus e não trazem guarda-chuva… Assim saibamos ser humildes e sinceros!      

 

António Sílvio Couto


quinta-feira, 3 de agosto de 2017

Futebol: escravatura de luxo…


Como de costume a época de transferência no mundo do futebol – por ocasião do verão e mais tarde no inverno – fervilha. Cada ano as verbas envolvidas crescem em quantidade e em escândalo. Se, no ano passado, pagar cem milhões de euros por um jogador deixou todos admirados, que dizer dos mais de duzentos milhões gastos com um futebolista que sai de Barcelona e vai para Paris?

Diga-se desde já que esta escravatura – compra e venda de pessoas como se fossem coisas e, nalgumas situações, um tanto animais – se torna abjeta, incoerente e vergonhosa. Para quem considerava que os escravos eram mercadoria de quem os donos dispunham a bel-prazer, que dizer de tudo isto que envolve pessoas vendidas/compradas em razão duns certos malabarismos com a bola e na destreza dos pés? Esta mercadoria humana perdeu os direitos a que tem o resto dos que não jogam à bola? Até onde irá subir o descalabro ou cair a soberba?

De facto, a ‘indústria do futebol’ – ou será que se tornou mais comércio? – envolve muito dinheiro, faz carburar muitos interesses e catalisa intuitos de multidões manipuladas e manipuladoras. Quando o dinheiro se torna o motor da vida de tanta gente, quase se percebe que o jogador de futebol se tornou mesmo coisa à qual se presta atenção enquanto rende e que se torna descartável quando as faculdades artísticas enfraquecem… na maioria dos casos. 

= Tentemos ver os números, tendo em conta outros artistas não tão bem pagos, embora muito melhores. Diz-se que Neymar, pela venda anunciada, vale 47 vezes Maradona. Quem não se recorda do ‘espetáculo’ que foi de contestação a Figo, quando ele trocou Barcelona por Madrid e o apelidaram de ‘pesetero’, isto é, cultivador de pesetas, pessoa que deserta para o inimigo. Que dizer de tantos outros vendidos e renegados? O dinheiro e a (dita) profissão falam mais alto e mais fundo! Haverá honra e honestidade em tantos dos casos conhecidos?

Na lista dos jogadores mais caros encontramos: Neymar (222 milhões de euros), Pogba (105 m), Bale (100 m), Ronaldo (94 m) e Higuain (90 m)… e daí para baixo vemos um role de vedetas em continua ebulição, trocando-se, sendo transacionadas como se fossem mercadoria em feira de vaidades e com muita esperteza à mistura… por aqui deambulam empresários, presidentes de clubes, fornecedores de material desportivo, merchandising e claques, estádios e centros de treino, canais televisivos e jornais, sócios e adeptos… e tudo o resto que gravita em volta deste mundo que, por ser tão complexo, pode servir para lavar dinheiro, inventar e vencer eleições… e, sobretudo, entreter, manipular e enganar o povo, que, enquanto vive essas coisas, não vê nem está atento a quem o governa mais ou menos de forma ganhadora… 

= Nos últimos tempos temos vindo a ser confrontados com problemas de cariz tributário por parte dos jogadores e de seus agentes. Uns parece que têm fugido aos impostos, não do seu trabalho direto no campo desportivo, mas tendo em conta outras áreas por onde vão ganhando uns cobres, tanto ou maiores do que os auferidos na disputa da bola com os adversários… tais como: uso de imagem, serviços de publicidade… promoções, campanhas e adereços de comercialização.

Pelos valores envolvidos – dá a impressão que em certos países tentam captar sobretudo os estrangeiros mais famosos e rentáveis – podemos perceber que o pagamento das multas será um das formas de angariar fundos para as finanças e de dar a impressão que poucos escapam ao controlo…Não deixa de ser preocupante o circo montado para dar cobertura aos faltosos, pois uma simples inquirição transforma-se num espetáculo mediático sem pejo nem critério… Por aqui se vê a força do submundo do futebol, distraindo do essencial e concentrando as atenções na espuma doutros factos humanos e sociais. 

= Mesmo de forma despretensiosa questionamos: onde está em tudo isto o desporto? A quem interessa polarizar as atenções no luxo que gera e não no lixo que fomenta? Porque temos de ser intoxicados com este produto informativo, quando há tantas outras questões a necessitarem de reflexão?

Daqui a alguns anos seremos condenados – como fizeram outros para com a escravatura passada – pelo silêncio cúmplice com que temos tratado este assunto… tão rendoso economicamente!  

 

António Sílvio Couto





terça-feira, 1 de agosto de 2017

O homem da camisa vermelha


O ainda presidente da Venezuela, na linha do seu antecessor, apresenta-se normalmente vestido com roupa de cor vermelha/encarnada, numa simbologia ideológica marcante…tal como noutras paragens e com intérpretes diferentes.

Nota-se no estertor dum regime em grave crise, que algo corre mal num país que já foi rico e que atraiu milhares de portugueses, que, por estes dias, vão fugindo em regresso à mãe pátria, alguns sem nem falarem a língua de seus antepassados. Os que conseguem escapar dizem que falta de tudo – desde a alimentação até aos cuidados de saúde, passando pelo emprego e a paz social – lá onde o petróleo criou riqueza…até ao tempo em que foi nacionalizado e colocado ao serviço do poder popular… onde os apaniguados se vestem também com roupas de cor idêntica à do chefe.

Caído o sistema marxista nas paragens da Europa, simbolizado com a queda do ‘muro em Berlim’, em 1989, muito do que se propagandeava foi posto a nu dos critérios culturais e humanos de tal regime. Como se possa entender que agora ainda haja quem se sirva de tal ideologia para conduzir povos e nações, sabendo os resultados verificados? Não se viu, vezes sem conta, que a igualdade pretendida só serve uns tantos – nalguns casos chamam-lhe de ‘nomenclatura’ ou dão outra designação mais fascinante – deixando o verdadeiro povo – esse que não pensa como eles – à míngua do essencial?

Não deixa de ser sintomático e provocante que ainda haja propostas de querer fazer nas autarquias e em espaços de maior proximidade aquilo que – ideológica e politicamente – se viu que faliu pela raiz, deixando traumas em pessoas e em sociedades… O silêncio cúmplice – e nalguns casos a assunção pública de defesa – de certos dirigentes é questionante para com a seriedade das suas propostas e até os meios usados para atingirem seus fins… Como já se viu, quando são colocadas certas premissas, as conclusões serão idênticas às já tiradas. Por isso, é muito pouco recomendável à inteligência alheia quem assim trata os seus apoiantes… tenham a instrução que tiverem.  

= De facto, o que está a acontecer na Venezuela deverá ser para todos os que acreditam na expressão da vontade popular pelo voto democrático, um sério momento de reflexão sobre a consonância entre aquilo que se diz e o que se faz, pois não podemos servir-nos do voto para atingirmos os nossos fins e depois manipularmos os resultados até que consigamos reduzir os adversários à condição de amesquinhamento.

Por cá, nota-se de vez em quando, alguns que têm tiques desta ‘democracia de partido único’, desde que seja o seu, o vencedor. As tentativas – tácitas, subtis, claras ou subterrâneas – duns tantos sentem-se à distância, pois nem sempre aceitam a concorrência nem a diversidade de pensamento. Veja-se a (pretensa) força do coletivo, que mais não é do que aniquilar os diferentes, seja qual for o método… Onde estão os que não pensam como a maioria? Onde estão os que discordam, mesmo de forma livre? Onde está a liberdade para poder exprimir a discordância? `

À medida do que é suscetível de perceber há por aí muitas purgas e limpezas, por forma a que se dê a imagem da tal força do coletivo nem sempre democrático, por não-respeitador dos que não alinham na mesma corrente… 

= Num tempo tão propagandeante da democracia, vemos imensos sinais de ditadura, desde os mais capciosos até aos mais rocambolescos. Muitos dos ‘democratas’ são-no por trituração dos adversários. Muitos dos que falam de liberdade para si nem sempre a conjugam para com os outros. Muitos dos que defendem o direito de pensamento livre nem sempre dão tal oportunidade aos que pensam diferentemente.

Fique claro: não acredito em qualquer regime ou forma de governo que tente coartar a dimensão espiritual da pessoa nem que faça reduzir a condição humana só ao bem-estar materialista. Este é uma etapa e nunca pode ser um fim, pois seria condicionar a pessoa à sua fase meramente animal, mesmo que bem instalada e regalada sem atender, normalmente, aos outros.

Se Venezuela está em crise tão profunda não foi por falta de meios económicos, pois era um dos maiores produtores de petróleo. A crise é, sobretudo, cultural e humana, de respeito e de sensibilidade aos outros…        

 

António Sílvio Couto