Partilha de perspectivas... tanto quanto atualizadas.



segunda-feira, 12 de setembro de 2016

Praxes académicas… inclusão ou exclusão?


Com a publicação das colocações nas escolas de ensino superior – universidades e institutos – vão surgindo notícias que aduzem criar ambiente para quem vai começar uma nova etapa da sua formação humana e intelectual: uns chamam-lhe praxe e outros vão tentando formas de inclusão que possam ser consideradas civilizadas e menos medievalescas…tanto na forma como no conteúdo.

Desde um ministro até a uma universidade já surgiram posições a contestar a prática das praxes… tal como têm sido postas em prática. Com efeito, de tempos recentes foram noticiados – quando escapam ao controle das (ditas) comissões – exageros, nalguns casos a deixarem marcas nas pessoas e na reputação das instituições onde tais vexames são cometidos. 

= Se a intenção das praxes é incluir pode, em muitas situações, resultar no seu contrário, pois os ‘faltosos’ ao pretenso ritual como que se podem tornar excluídos num meio onde ainda vigora um espírito demasiado gregário e, em certas situações, deixando pouco em abono da inteligência de quem pensa – se pensa – e executa…tais praxes. Se virmos em certas instituições o ‘chefe’ da praxe é o aluno com mais matrículas, isso como que nos deverá questionar se tal façanha abona pela capacidade de ultrapassar os estudos – se é que os faz – ou se antes estaremos perante uma prorrogação de ‘estudante’ muito para além do quadro da normalidade! 

= Nalgumas situações parece que os artefactos – cenas e confusões – que são propostos não andarão muito longe daquilo que lhes foi feito há tempos mais ou menos recuados, situando-se, assim a praxe numa repetição daquilo que lhes fizeram outros e que se vai aturando até que haja quem não se deixe submeter a humilhações e processos de menor dignidade de quem se quer valorizar culturalmente, mas que, por momentos, é tornado alvo de chacota e de ridículo… Quantas vezes quem pensa estar a crescer na sua dimensão humana e intelectual se pode sentir aviltado, chafurdando em obscenidades e ações de menos boa conduta social… Referimo-nos ao que é mostrado na via pública (incluindo a comunicação social) e não no espaço das escolas e suas dependências mais próprias… Se algum responsável dum jardim-de-infância permitisse tais casos certamente – e bem – estaria sob a alçada da lei e da condenação pública. Porque, então, terá de haver um manto de silêncio sobre coisas que nem de infantis se podem considerar? 

= A vida académica é uma etapa essencial da estruturação de qualquer pessoa, mas não pode ser levada com leviandade e muito menos com referências de banalidade, tanto no que se refere ao saber como ao educar ou, então, teremos pessoas imaturas e prolongadas numa adolescência psicológica muito para além do que é (ou era) razoável.

Perante este quadro complexo de questões, deixamos algumas que consideramos um tanto pertinentes: praxes – porquê e para quê? Praxes socializam ou ostracizam? Porque há tanta resistência em mudar este panorama nas escolas de ensino (dito) superior? A quem interessa prolongar este cenário – às associações de estudantes ou à direção das escolas? Até quando se irá dar cobertura a este processo de inserir na vida académica?

Atendendo ainda à posição do ministro da tutela em combater as comissões de praxe, porque têm estado caladas as associações estudantis e de praxe: será porque se deve a ser da sua área ideológica? Fariam o mesmo se fosse proposto por outro governante não da área? Ou será que a racionalidade tem cor – se não é da minha não vale tanto como quando tem afeição e identificação com o que eu acho ou julgo? 

= Agora que a educação pré-universitária está numa certa ‘paz dos anjos’ – não sem sabendo quem manda ou quem obedece: se os sindicatos ou se o ministro – talvez seja oportuno refletir sobre questões de humanismo que envolvem a formação cultural… As praxes académicas precisam de mudar e todos devemos ter uma posição. Urge, por isso, ser sério e sereno. Com tão pouco tempo para ‘fazer doutores à maneira de Bolonha’ corremos o risco de andar entretidos com as praxes e cortejos académicos e não haver tempo para estudar!

 

António Sílvio Couto

Sem comentários:

Publicar um comentário